Copyright © Nat Bespaloff
Design by Dzignine
13 de nov. de 2020

Quer ser feliz? Seja grato!

 


Vai parecer loucura, mas vou falar: assistir vídeo de lapse-time de germinação de flores, por exemplo, ou até mesmo o funcionamento do nosso organismo (esses dias pesquisei como se forma a nossa dentição e... não, eu não sou dentista, só sou bem aleatória nas pesquisas), observar tudo isso me traz um sentimento de gratidão pelo meu organismo e pela natureza funcionar desta forma, faz sentido? Loucura? Nas cartinhas que entreguei em 2017 para algumas pessoas (eu falei dele no vídeo anterior: Sawabona), eu indiquei o vídeo do TED Talks do David Steindl-Rast (monge) e ele fala o seguinte: “Não é a felicidade que traz a gratidão, é a gratidão que traz a felicidade.” Entendeu? E o método que ele sugere para viver a gratidão é: “Pare, olhe e siga” No vídeo anterior eu falei do olhar de amorosidade e para ter isso, é preciso parar, respirar com calma, observar as coisas com mais atenção, sair do “piloto automático”. Então... Pare, olhe e siga. E esse “siga” é no sentido de aproveitar, porque talvez este momento que você está vivendo, com essas pessoas, nesse lugar, com esse estado mental, essa saúde física, enfim... talvez isso não se repita mais, porque este momento é único. Parar, olhar, seguir! Para que isso? É para “trazer” a “consciência” para o momento presente, ser grata por este momento, pois é este momento AGORA que vai construir o seu futuro. Óbvio, né, Natalia? Óbvio! Aham, óbvio, né? Mas muitas vezes caímos no erro de achar que: Só vou ser feliz quando passar na faculdade, só vou ser feliz quando casar, só vou ser feliz mesmo quando me aposentar. Tudo bem ter sonhos... é ótimo! O problema é pensar: “não vejo a hora de chegar as férias” e viver cada dia, cada semana – até chegar as férias – como um zumbi, sem presença plena no agora. Sabe? Neste caso, a felicidade é uma bola (neste caso é uma bolinha de papel) e eu chuto ela lá para frente e faço todo esse caminho até ela na bad (ou ansiosa, sei lá... sem foco no presente). E quando eu chego perto dela novamente, eu chuto de novo e jogo a felicidade lá para frente, para longe de mim agora. Só pra lembrar: “Não é a felicidade que traz a gratidão, é a gratidão que traz a felicidade.” E se fizer sentido para você, sugiro um desafio: anote todos os dias (nem que seja só por um mês, para você fazer um teste), 3 coisas pelas quais você é grato. Por quê? Porque isso vai te ajudar a criar um padrão no cérebro de “Pare, olhe e siga”, de sair do automático e ter um olhar de amorosidade para as situações do seu dia e só o fato de lembrar de situações positivas do seu dia, isso já gera dopamina, ocitocina, hormônios que trazem – basicamente - a sensação de bem-estar, de felicidade! Ah, e só pra lembrar: Não é a felicidade que traz a gratidão, é a gratidão que traz a felicidade. (Nat Bespaloff) Instagram: NatBespaloff Facebook: NATirinhas


Vídeo da palestra que citei no texto:



0 comentários:

Postar um comentário

oiiiii

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...