Copyright © Nat Bespaloff
Design by Dzignine
3 de out de 2017

TCC PSC IBC



Trabalho apresentado como exigência para obtenção do título e certificação internacional da formação de Professional & Self Coach.



 
NATALIA BESPALOFF

 Setembro/2017


  1       COACHING EDUCATION

1.1      PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

"Coaching" é o nome que damos ao processo de desenvolvimento humano, onde são utilizadas técnicas e ferramentas pautadas em diversos campos do conhecimento, como: Neurociência, programação neurolinguística, física quântica, psicologia positiva, sociologia, filosofia, administração de empresas e gestão de pessoas. Resumidamente, podemos assumir que Coaching é a ciência do desenvolvimento. A palavra "coach" serve para nomearmos o profissional que utiliza a metodologia do Coaching. Já a palavra "coachee" é utilizado para o cliente do processo.
Coach é de origem inglesa e significa carruagem. Há relatos históricos que mencionam que o surgindo da expressão "coach" veio da palavra "Kocs" que surgiu na Hungria, em 1400, pois neste momento foram criadas as primeiras carruagens mais confortáveis que serviam para transportar os viajantes do ponto inicial para o destino almejado. Em 1830, na Oxford University, o termo coach passou a ser utilizado para denominar os tutores particulares dos alunos, pois eram pessoas que conduziam os alunos em busca de resultados satisfatórios nos exames. Com o mesmo objetivo (de conduzir e orientar), em 1900, o termo "coach" passou a ser utilizado no meio desportivo. Algumas décadas depois, em 1950, levando em consideração o conceito de tutores das Universidades e dos técnicos do mundo desportivo, agora, foi a vez do ambiente corporativo começar a utilizar a nomenclatura e a desenvolver a metodologia do coaching com a finalidade de melhorar a gestão de pessoas.

Como funciona o Coaching?

O profissional na área de coaching conduz as sessões através de técnicas, ferramentas, feedback e questionamentos (perguntas poderosas) com a intenção de extrair o melhor do seu cliente e, com isso, trazer mais clareza, foco e ação do coachee.
No processo de coaching é sempre necessário levar em consideração a individualidade de cada ser, ou seja, os métodos são personalizados e respeitam o estágio de desenvolvimento de cada pessoa. O profissional não dá as respostas prontas para o coachee, pois a intenção é que o cliente encontre as respostas dentro de si. Sendo assim, o foco do processo de Coaching é que o cliente busque os recursos internos para obter o que deseja, afinal de contas, ele é o maior especialista de si. Cabe, com isso, ao coach respeitar e honrar a história do coachee e utilizar as ferramentas da melhor maneira possível.
Por mais que existam semelhanças, o coaching é diferente de mentoring, counseling, terapia, treinamento, consultoria e ensino, pois difere na forma de aprendizagem, pois o coaching parte "de dentro para fora" enquanto os demais partem "de fora para dentro".
Vale ressaltar que o coaching foca no presente e não nos problemas que aconteceram no passado. Há a possibilidade de buscar informações no passado do coachee para conseguir fazer algumas interpretações e ressignificar alguns acontecimentos que estejam bloqueando determinadas ações, mas o foco principal do coaching é o presente, o Estado Atual e o Estado Desejado, o futuro onde o coachee quer estar.

Toda sessão de coaching precisa ter foco no processo, ações através das tarefas, supervisão com sentimento através de feedback, evolução contínua para conseguir resultados extraordinários e, por fim, todo esse processo precisa ter resultado.
O coach deve suspender qualquer tipo de julgamento, pois é preciso respeitar e honrar a história do coachee para conseguir alcançar os objetivos de forma mais profunda e transparente. Também é preciso focar sempre no futuro, fixar os pensamentos no objetivo (seja a curto, médio ou longo prazo). Por fim, o coach precisa manter a ética e confidencialidade, pois o cliente precisa se sentir confortável para expor a própria luz e sombra, sabendo que há sigilo nas informações expostas durante as sessões.
O processo de coaching pode ser realizado de forma presencial ou à distância (através de recursos tecnológicos), individualmente ou em grupo e, independentemente da forma como as sessões sejam realizadas, é preciso saber as 4 necessidades básicas do ser humano no que diz respeito ao seu comportamento, são elas:
  • ·         Direito de pertencer;
  • ·         Direito de errar;
  • ·         Ser reconhecido, notado e amado; e
  • ·         Ser ouvido na essência.
O coach precisa saber trabalhar com eventuais bloqueios, medos e crenças limitantes que possam surgir durante as sessões, pois muitas vezes isso pode impedir que o coachee alcance seus objetivos. As crenças podem ser de identidade, capacidade e merecimento, por isso, é importante identificá-las para permitir ao coachee ter mais clareza sobre suas ações diante das possíveis dificuldades durante o trajeto até o objetivo.
Nas sessões de coaching é trabalhado propósitos, missão e valores. Os valores são tudo aquilo que regem nossas atitudes, são os valores que governam nossas decisões e, por isso, é importante identificá-las. Saber os próprios valores permite ao coachee um amplo autoconhecimento para contextualizar as próprias atitudes. A missão é aquilo que o coachee quer alcançar para si, porém quando a energia está baixa e os pensamentos bloqueadores começam a "martelar", nesses momentos, é preciso ter o propósito inabalável para permitir enxergar o verdadeiro motivo daquela missão, ou seja, o propósito é aquilo que nos faz continuar caminhando quando qualquer outra pessoa no seu lugar desistiria, é o que te motiva para a ação.
Na sessão de coaching também é trabalhado o foco no objetivo, porém sem esquecer que ao focar a energia no ponto C, possivelmente o coachee estará se afastando do ponto A e, por isso, é necessário fazer a avaliação mais ampla do objetivo e fazer uma análise das perdas e dos ganhos durante o trajeto. Ao visualizar os possíveis problemas que isso possa ocasionar, o coachee precisa ter clareza e, se possível, criar ações para minimizar seus impactos para não ter o risco de se desmotivar no meio do caminho.
Por isso, o coach é um instrumento de clareza e empoderamento ao coachee. Seja através de perguntas poderosas para extrair crenças limitantes ou através de patrocínios positivos para encorajá-lo. O coach precisa caminhar de mãos dadas com o coachee até determinado ponto, mas precisa ter a noção que só quem pode atravessar a ponte entre o ponto X e o ponto Y é o próprio coachee. Sendo assim, é crucial que em todas as sessões sejam realizadas uma conversa franca para determinar o grau de comprometimento do cliente para alcançar o objetivo, caso contrário, não adianta ter o foco, ferramentas e todas as técnicas do coaching disponíveis se o coachee não estiver comprometido e engajado em realizar as ações. É imprescindível que o comprometimento de ambos estejam num nível alto, pois a metodologia do coaching é de co-criação.
A filosofia que o coach usa em suas sessões são as perguntas poderosas que foram implantadas pelo Socrátes e recebe o nome de "Maiêutica Socrática". Essas perguntas são denominadas de poderosas, pois quando bem empregadas possibilitam que o coachee acione seu inconsciente e obtenha mais clareza nas suas decisões, no desenvolvimento das próprias habilidades e competências. Segundo Socrátes, "é na alma que reside todo o saber pertinente ao ser humano", por isso, vale ressaltar que - durante todo o processo - o coach não deve dar palpites ou aconselhar o coachee, muito menos impor algum tipo de tarefa para o cliente, uma vez que isso pode causar dependência ao impedir que o cliente "aprenda a aprender", além de aumentar falta de engajamento ao executar as ações.
Os resultados esperados pelo processo de coaching é o autoconhecimento, pois só através dele é possível ter a consciência de quais são os pontos de melhorias e pontos altos de si e, com essa informação, saber o que é preciso ter, fazer e ser para conseguir alcançar o objetivo estipulado.
O mais importante é que o coachee passa a ter o empoderamento para saber que todas as ferramentas que precisa - para obter sucesso - está dentro de si, que todas as respostas se concentram dentro da própria existência e, com isso, aprende a ressignificar os acontecimentos da vida para extrair aprendizados. Durante o processo de coaching, o profissional busca resultados positivos para melhorar a performance do cliente e gerar tanto satisfação profissional quanto pessoal.
Com o autoconhecimento é possível conhecer as próprias habilidades, conhecer melhor as emoções que regem a vida, ter a inteligência emocional para lidar com o estresse do dia a dia.
Basicamente, o coaching utiliza a metodologia para tornar os resultados esperados em resultados reais e, tudo isso, otimizando tempo e energia do coachee.
O processo de coaching pode durar, em média, dez semanas e podem ser realizadas semanalmente, depende do objetivo do coachee ou da metodologia utilizada pelo coach.
Podemos definir o coaching como o processo que permite resgatar a essência do coachee e trazê-lo para a superfície da realidade. É uma metodologia que desperta o cliente para o mundo de possibilidade que existe dentro de si. Permite que, através das perguntas poderosas, gerar reflexão e novas conexões sinápticas, ou seja, gera mudanças cerebrais seja através de quebras de paradigmas, crenças limitantes ou através de novos hábitos, de atitudes que façam o cliente sair da zona de conforto para obter sucesso na área que deseja (pessoal ou profissional). É através deste processo que o coachee passa a sentir a necessidade de mudar comportamentos e pensamentos para conseguir progredir e evoluir como ser humano. O mais importante é que gera no cliente o poder de criar a própria realidade, de utilizar os pensamentos positivos, a física quântica, para otimizar resultados e contribuir para o próprio desenvolvimento, ou seja, "aprende a aprender" e aprende o poder da ressignificação, de mudar o passado sem mudar.
Podemos associar o processo de Coaching a caça ao tesouro, onde o prêmio é o encontro do autoconhecimento do coachee e o mapa é o profissional coach, que está ali para guiá-lo. Como em qualquer jornada, nessa aventura há dificuldades, medos, mudanças e para conseguir conquistar o verdadeiro Eu, o cliente precisa ter coragem e comprometimento em desbravar este mundo maravilhoso do autoconhecimento.


CONCLUSÃO PESSOAL

O Coaching é uma metodologia onde profissionais utilizam técnicas, ferramentas e, principalmente, muita alma e amor, para trabalhar em parceria com o coachee (cliente) com foco no objetivo e nas ações. O profissional, chamado de coach, através das sessões, busca auxiliar o coachee a desenvolver o autoconhecimento, levando sempre em consideração que o maior especialista sobre a própria história é o cliente, por isso o coach tem como base suspender todo e qualquer julgamento para que seja possível honrar e respeitar a história do cliente e, com isso, permitir criar um ambiente confiável e de sigilo para que seja viável cocriar e extrair o que há de melhor no cliente, seja através das ferramentas de autoconhecimento, de desenvolvimento humano ou através dos patrocínios positivos.
Durante as sessões é importantíssimo que o coachee esteja comprometido, pois o coaching - diferentemente de outras metodologias - parte "de dentro para fora" e, por isso, para que os resultados sejam alcançados, depende muito do foco e do comprometimento do cliente em agir, em colocar em ação os passos para atingir resultados. Cabe ao coach sempre ouvir na essência, suspender os julgamentos perante erros e amar, reconhecer as atitudes do cliente para poder criar um rapport de alma mais eficaz, permitindo uma conexão mais forte e fortalecer o que há de melhor no coachee.
Os resultados esperados são sempre o autoconhecimento, pois o coaching tem como princípio não dar o conhecimento pronto para o coachee e, sim, ensiná-lo a procurar respostas dentro de si. Sendo assim, o processo de coaching é uma metodologia de ensino a longo prazo, pois o cliente passa a ter o autoconhecimento e autoconfiança necessários para criar um mindset focado nos resultados, independentemente se o coach estiver ao lado ou não. As sessões duram em média 10 semanas e são realizadas semanalmente, com a sessão presencial ou online, depende da metodologia utilizada pelo coach e do objetivo do coachee.








2       COACHING

2.1      O QUE É NECESSÁRIO NUMA SESSÃO DE COACHING

Para que uma sessão de Coaching aconteça é necessário ter: coach e coachee. Neste momento, é preciso existir um ambiente de confiança e conexão (flow) entre eles, assim como comprometimento para doar e receber. O coachee precisa ter, essencialmente, um objetivo para que o profissional possa auxiliá-lo nesta empreitada, caso contrário, as sessões não terão propósitos e resultados esperados, por consequência, não será possível mensurar a evolução do cliente durante o processo, impossibilitando o feedback assertivo.
O coach precisa suspender todo e qualquer tipo de julgamento, pois desta forma a conexão acontece de maneira mais satisfatória, sem constrangimentos ao dizer ou ao ouvir um fato, sentimento e pensamento. É crucial que o coach ouça o coachee na essência, que leia seus gestos e expressões para que o diálogo aconteça de maneira ampla e assertiva, gerando mais clareza. O profissional da área precisa manter a confidencialidade do que é dito durante as sessões, pois as informações ditas precisam ser mantidas no sigilo para que mantenha a parceria entre ambos.
Também é necessário estabelecer metas para serem realizadas, entre uma sessão e outra, com a finalidade de aproximar o coachee do seu objetivo maior. Por isso, é importante que o cliente esteja comprometido e disposto a agir, caso contrário, o processo de Coaching não terá os resultados esperados. Lembrando que, basicamente, o foco das sessões é o futuro, a meta estipulada e, sem a meta, não há processo de Coaching.
O profissional necessita ser preparado para realizar perguntas poderosas que gerem reflexões no coachee e impulsione para que a mudança de hábitos e crenças aconteçam. O coach precisa estar munido de ferramentas que despertem a essência do cliente e ajude-o a caminhar o caminho e buscar as respostas dentro de si. O papel do coach é trabalhar em parceria, utilizando metodologias e conhecimentos das mais diversas áreas da ciência para desenvolver o autoconhecimento do cliente e, com isso, gerar a motivação com ações consistentes em busca do objetivo.



2.2      QUAIS OS ELEMENTOS NECESSÁRIOS

A roda dos elementos essências é um método de autoavaliação do coach sobre seu desempenho na área, com a intenção de desenvolver habilidades necessárias para obter a alta performance no processo de Coaching e atingir resultados de maneira extraordinária.
Essencialmente, o coach precisa ter a competência de confidencialidade para conseguir realizar o trabalho com o coachee de maneira ética e sem comprometer os resultados e a boa convivência. Focar no crescimento pessoal para conseguir realizar transferência de aprendizado, gerando conexões neurais de aprendizados consistentes.
O papel do profissional é desafiar o cliente para que ocorram mudanças comportamentais necessárias para que as metas definidas sejam realizadas. Desta forma, é preciso criar pequenos desafios, entre uma sessão e outra, com o objetivo de alcançar a meta maior, por isso, ao fim de cada sessão deve-se criar o plano de ação.
Em todas essas etapas, o coach precisa ter a competência de estar disponível para apoiar o coachee durante os desafios e auxiliá-lo durante o enfrentamento das crenças limitantes e mudanças de mindset. O reforço positivo é crucial para que o cliente não desista do processo e, caso ocorra algum problema no meio do caminho, o coach precisa ter a habilidade de resolver problemas sem comprometer o desenvolvimento do coachee.
Para sanar problemas de comportamento que impeçam o cliente de alcançar seus objetivos, a  análise dos Valores ou a exploração das crenças do coachee é importante, pois só após fazer o levantamento destes dados, é possível flexibilizar o método do Coaching e otimizar as ferramentas e as sessões, transformando-as em algo mais personalizado para o perfil daquele cliente (respeitando e honrando sua história), sempre dando reforços positivos e apoio para que as metas sejam alcançadas da melhor maneira possível.
O coach não tem como elemento de nível "alto" o papel de ensinar, aconselhar e de ser expert em determinado tópico, só precisa conseguir analisar as informações ditas pelo coachee e dar-lhe clareza através das perguntas e feedback, ou seja, oferecer informações para que o coachee caminhe em direção ao objetivo e aprenda a encontrar as respostas dentro de si.

2.3      QUAIS AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS

Sabe-se que o Coaching utiliza diversas áreas do conhecimento para conseguir alavancar e potencializar os talentos do coachee, sempre honrando e respeitando a história dele e, por isso, são criadas e adaptadas ferramentas que buscam despertar o inconsciente (self 2) para que ele consiga ter maior clareza sobre seus pontos altos e pontos de melhorias. O processo todo de Coaching tem por finalidade romper barreiras invisíveis criadas pelo coachee e que, por isso, dificultam a realização dos objetivos. Com esta finalidade, o coach utiliza diversas ferramentas extraordinárias.
As principais são:
Roda da vida: É utilizada para que o coachee possa ter visão mais ampla sobre todos os aspectos da sua vida e otimizar aquilo que julga necessário para alcançar a alta performance em prol do objetivo estipulado. Os 4 aspectos utilizados para ter o cenário geral da vida, são: Profissional, qualidade de vida, pessoal e relacionamentos. Através de um gráfico, onde o coachee dá notas de 1 a 10 conforme sua satisfação com cada tópico. Esta ferramenta permite mensurar o estado atual e criar o plano de ação focando na melhoria daquilo que o coachee julga necessário para o seu desenvolvimento.
Coaching Assessment: É a ferramenta (software) que mapeia os comportamentos do indivíduo. Através de um questionário simples, o coachee consegue descobrir qual o seu perfil (analista, planejador, comunicador ou executor) e, com essa informação, consegue tomar as devidas atitudes para potencializar suas habilidades ou desenvolver outras, conforme necessidade.
Identificação de Valores, Missão e Propósito: São características e objetivos que motivam determinados pensamentos ou gatilhos e, por isso, são importantes para a obtenção de resultados esperados sem grandes riscos de perder o foco naquilo em que deseja e respeitando suas particularidades (Valores).
Diário de bordo: É a ferramenta utilizada para que o coachee tenha mais clareza sobre o seu dia e que desenvolva a habilidade de planejar os próximos passos com mais congruência e foco no objetivo. Fora que permite ter a percepção de fatos que ocorreram durante o dia e geraram um sentimento de gratidão. E ter a oportunidade de identificar os erros cometidos, buscar soluções de melhorias e se permitir perdoar.
Feedback 360º projetivo: É uma ferramenta de autoavaliação e reflexão que o coachee faz sobre si através de opiniões das pessoas que o rodeiam, onde o próprio cliente faz um levantamento das opiniões alheias. São questionamentos que levam o coachee a mapear seus pontos de melhorias, obtendo maior percepção das suas atitudes em diversas áreas da vida.
Tríade do tempo: Ferramenta essencial para que a pessoa consiga gerir melhor o tempo, através da classificação das tarefas em: Circunstanciais, Urgentes e Importantes.
Autofeedback: É utilizando com o intuito de fazer com que o coachee se permita olhar para si e analisar seus pontos de melhorias, falhas, incongruências e congruências, pontos fortes, qualidades e, com isso, ter a percepção de si com mais clareza.
Autobiografia: Esta ferramenta permite uma ampla reflexão para honrar e respeitar a própria história, romper o cordão umbilical que talvez esteja prendendo o coachee aos padrões familiares, além de gerar a percepção de poder criar a própria história.
Significados (Crenças e Valores): Ferramenta utilizada para identificar possíveis crenças que estejam bloqueando o desenvolvimento do coachee. Quando a pessoa não consegue ter determinada atitude, possivelmente há uma crença por trás dessa incapacidade do coachee em realizar algo. Toda mudança de crença gera, automaticamente, mudanças de atitudes e hábitos. Ao identificarmos os Valores e as crenças, podemos ter maior clareza sobre os motivos pelos quais os comportamentos do coachee são executados, pois são eles que regem a vida de uma pessoa.
Shazan: É a ferramenta que faz perguntas poderosas para o inconsciente do coachee e é onde podemos identificar traumas, medos, crenças e alegrias do cliente, com a possibilidade de ressignificar - com a permissão do coachee - determinado acontecimento.
5W2H: São 7 perguntas que são essenciais para definir, mensurar e estabelecer estratégias para alcançar os objetivos.
Perguntas poderosas: Método socrático que o coach utiliza para gerar reflexão no coachee, com a intenção de despertar o inconsciente e alavancar o potencial, gerando novas conexões neurais.

2.4      UMA BOA SESSÃO DE COACHING

Para que a sessão de Coaching ocorra de maneira extraordinária, primeiramente é preciso que o coachee esteja preparado para o processo, ou seja, que esteja comprometido em agir e mudar alguns hábitos, esteja aberto a ouvir feedback e assumir responsabilidades. Já no caso do coach, este também precisa ter características e competências necessárias para exercer a função de forma respeitável. Além da formação, estudos e dedicação para praticar a teoria aprendida, o coach precisa ter o autoconhecimento desenvolvido para conseguir gerar uma conexão sem julgamentos, ouvir verdadeiramente o outro, ter como objetivo potencializar e tangibilizar as metas do coachee, ser congruente nas suas atitudes, enfim, o coach precisa estar sempre consciente das próprias habilidades para conseguir ser o melhor que pode ser.
Os passos necessários para que a sessão seja executada de forma consistente, sem falhas, é que o coach faça o rapport e modele o cliente, com a intenção de gerar maior conexão entre eles. Fazer a apresentação do processo de coaching, para que o coachee tenha sempre em mente quais são as responsabilidade do coach e dele. Após isso, é necessário que o coach se interesse pelo cliente e faça um pequeno follow-up com o objetivo de compreender o estado emocional dele naquele momento e seu objetivo para o final de sessão, em seguida, a ferramenta é explicada, contextualizada e aplicada. Por fim o coach deve gerar reflexão sobre os aprendizados gerados no dia e solicitar que o coachee tome uma decisão sobre que atitudes irá tomar durante a semana em prol do objetivo maior, sempre medindo seu grau de comprometimento com o planejamento e metas. É necessário realizar a desconexão e acordo para o próximo encontro, deixando sempre claro que a responsabilidade pela realização do objetivo é dele, através de suas ações e comprometimento, que o coach está ali como parceiro e não como executor do planejamento.



4       NICHOS DE ATUAÇÃO DE COACHING

Nichos são segmentos do mercado onde o profissional escolhe exercer sua profissão, tendo, com isso,  o público-alvo definido. Há duas grandes divisões de nichos na área de Coaching e a partir deles podem existir diversas ramificações. Vale ressaltar que o coach não precisa necessariamente ser especialista no nicho em que irá atuar, mas é importante ter ao menos a base de entendimento sobre a área de atuação, para que possa ter uma comunicação mais clara e efetiva durante as sessões de Coaching.
O que serve de parâmetro para o coach definir seu nicho é a identificação que ele terá com a área de atuação, ou pelo expertise, oportunidade ou até mesmo desejo. Não é regra ter um nicho especifico, mas é o ideal para definir da melhor maneira o público e poder se tornar um profissional referência no nicho escolhido, porém o coach pode muito bem atuar em dois ou mais nichos, o que vale é se sentir seguro na execução da profissão e no nicho que escolher.
Normalmente, o profissional que trabalhou por longo período na área de saúde, por exemplo, como nutrição, tende a ser mais procurado para atuar como coaching de emagrecimento. O profissional que atuou anos no meio corporativo, tende a optar pelo nicho de business e executive coaching. O advogado que possui experiência na área, tende a escolher o coaching jurídico como nicho, devido ao seu expertise. O psicólogo reconhecido, provavelmente escolha o coaching de relacionamento para atuar. Porém, não existe regra para esta definição, o que vale é o comprometimento e a dedicação para co-criar em busca da realização dos objetivos do coachee.

Os dois principais nichos são:

·         Self/Life Coaching (coaching de vida ou coaching pessoal): É focado na qualidade de vida do coachee, por isso as ramificações podem ser relacionadas aos relacionamentos, saúde, família, comunicação pessoal, emagrecimento, carreira, dentre outros.

·         Executive/Business Coaching (coaching para executivos ou coaching de negócios): Esse nicho é focado no mundo empresarial, nas necessidades de aperfeiçoamento da liderança, otimização de resultados financeiros, enfim, por isso as ramificações podem ser de coach de carreira, de planejamento, alta performance, vendas, gestão de mudanças, dentre outras.

Nos últimos anos, as ramificações onde o coaches podem atuar são diversas, por isso, neste trabalho, haverá foco em alguns deles e considerações sobre a forma de trabalho. São eles:

- Coach financeiro: É indicado para pessoas que estão endividadas, pessoas que tem dinheiro e querem investir, pessoas que possuem sonhos que demandam muito recurso financeiro, também para recém formados e, lógico, para empresários que necessitam e querem ter um contato maior com as finanças da própria empresa. Este tipo de Coaching tem como uns dos objetivos ajudar o coachee a se planejar financeiramente, criar métodos para alavancar seus rendimentos, se organizar, definir prioridades e tudo o que estiver relacionado ao mundo das finanças.

- Coach de relacionamentos: Este tipo de atuação permite ao coachee trabalhar alguns pontos de melhorias, tais como a habilidade de comunicação, de se doar ao outro, criar um elo maior de confiança e de autoconfiança, mas também permite - quando necessário - romper padrões de repetições nos relacionamentos que foram herdados pelos pais, ou seja, há diversos comportamentos que as pessoas, sem perceberem, acabam copiando dos pais e isso pode gerar fracasso nos relacionamentos. Este tipo de coaching pode ser realizado individualmente ou em casal. Neste processo, é importante - assim como os demais - suspender qualquer tipo de julgamento e é crucial enfatizar isso durante as sessões em casal, para poder criar um ambiente onde um honre e respeite a história do outro, pois só quando se ouve na essência é possível compreender o motivo da pessoa agir de determinada forma.

- Coaching para gestantes: Este tipo de coaching serve para que os pais consigam ter maior controle emocional e possam planejar da melhor forma possível a vinda do bebê. No coaching é utilizado diversas técnicas, como: Constelação familiar, psicologia positiva, gestão de pessoas, administração, meditação, dentre outras. Também permite aos pais manterem um relacionamento saudável, conseguirem planejar a vida pessoal com a profissional, estruturarem a gestão do tempo, o planejamento financeiro e romper pensamentos limitantes focando no mindset positivo.

- Coach político: O profissional nesta área, o coach, foca no autoconhecimento do político (coachee) para conseguir potencializar sua comunicação e habilidade de liderança. Antes de discursar, o político passa pelo processo para aprimorar sua fala e gestos deixando-os mais congruentes perante sua audiência. Vale destacar que o coach, nesta área, não atua com objetivo de dar opiniões políticas ao cliente e, por isso, apenas dá suporte para que o coachee encontre as próprias opiniões.

- Coaching para concursos: Os estudantes, principalmente no mundo atual, tem a disposição inúmeras maneiras de encontrar assuntos relevantes para os estudos, porém também há outras diversas formas para se distrair e perder o foco durante este período e, por isso, muitos buscam o auxílio do coach para conseguir se concentrar melhor, administrar o tempo, planejar os estudos, medir o nível de aprendizado e, lógico, encontrar meios para manter a disciplina nos estudos. Outro fator importante que o coach pode auxiliar neste nicho é ajudar os estudantes no autoconhecimento para desenvolver a inteligência emocional durante os estudos, uma vez que é crucial manter um mindset calibrado para vitória e, com isso, ter a inteligência de manter o foco independentemente dos desafios que surjam durante e depois das provas. Vale lembrar que para conseguir uma boa avaliação nos concursos não basta ter horas e mais horas de estudos, é preciso ter tempo de qualidade onde os assuntos estudados sejam de fato absorvidos e entendidos, pois se há falta de planejamento nisso, muitas vezes o estudante perde o foco e a concentração no meio da leitura. Por isso a importância do processo de coaching para criar um plano de ação que tenha um resultado satisfatório e foque na alta performance nos estudos.

- Health Coaching: O coaching é utilizado para amenizar os impactos causados pela rotina na área da saúde, pois é preciso saber lidar com o estresse de ter a responsabilidade sobre a vida do outro, com as longas jornadas de trabalho, ter mais empatia e cuidado ao falar com pacientes, buscar o lado positivo para atrair pensamentos bons diante dos problemas, administrar a gestão de tempo e lógico, o autoconhecimento em geral para conseguir se comunicar, ter mais foco e qualidade de vida. Os profissionais que se beneficiam com este tipo de coaching são: dentistas, médicos, enfermeiras, nutricionistas, enfim, profissionais da saúde em geral. O processo todo tem como objetivo zelar pela habilidade e talento desses profissionais da área de saúde que dedicam suas vidas, perdem  horas de sono em prol da saúde do próximo, se dedicam aos estudos e, principalmente, por terem como missão de vida a saúde e bem-estar do outro.

- Coaching para líderes religiosos: A espiritualidade está ligada ao propósito de vida e legado, por isso ambos estão no topo da pirâmide que mede a evolução do ser humano. Em cada religião, há um líder que é responsável em passar mensagens sobre a vida para aqueles que o seguem. As nomenclaturas que definem o líder são as mais variadas possíveis, como: Padre, pastor, guru,  mestre, guia. São especialistas na religião no qual atuam. Esses líderes são procurados pelos seguidores por terem autoridade e a responsabilidade em passar uma mensagem, por isso devem demonstrar uma conduta congruente com a mensagem dita, em instigar no outro a vontade de mudar condutas, atitudes e pensamentos. Com toda essa responsabilidade, os líderes procuram o Coaching para melhorarem a comunicação e assim, passar de maneira clara e objetiva a mensagem que o seguidor precisa ouvir para conseguir gerar reflexão e mudanças necessárias no comportamento. Também procuram o processo para o autoconhecimento, pois só assim é possível ter a habilidade de conseguir ouvir o outro na essência, caso contrário, quando o líder religioso está com uma bagunça interna, dificilmente terá a serenidade de ouvir, aconselhar e oferecer o seu melhor ao outro.

- Coaching para advogados: É destinado aos profissionais da área jurídica, sejam estudantes ou profissionais. O foco é potencializar o rendimento do indivíduo para conseguir ou passar em concurso, ou no OAB, ou até mesmo para auxiliar universitários da área. Há também o Coaching para aqueles que já estão no ramo que desejam, porém necessitam melhorar uma habilidade para conseguir alcançar resultados extraordinários e alavancar o negócio. O processo é utilizado para otimizar a comunicação e persuasão, amenizar o impacto do estresse na resolução de conflitos, na qualidade de vida ao gerenciar o tempo, na habilidade para conseguir mais clientes e de ouvir o outro (ouvir na essência e sem julgamentos), enfim, são diversas as formas para melhorar a performance do profissional da área jurídica.

- Coaching para esportistas: Além das técnicas e habilidades com o corpo físico, o atleta necessidade desenvolver a inteligência emocional e criar uma mentalidade de vencedor para conseguir superar os desafios e lidar com derrotas ou vitórias do dia a dia. Para sanar essas necessidades dos esportistas, o coach atua para ajudá-lo no desenvolvimento do autoconhecimento e, com isso, no controle emocional durante as competições e treinamentos. Além de conseguir romper com crenças limitantes que possam surgir durante o processo de alavancagem de resultados, o processo auxilia no encorajamento e empoderamento do atleta.

- Coaching Executivo e Empresarial: Está ligado ao mundo corporativo, pois a visão de que as empresas são compostas por pessoas e, independentemente da evolução tecnológica, do mercado e rapidez das máquinas, é preciso ter em mente que o desenvolvimento humano é mais complexo e para ser realizado de forma mais rápida e duradora, é preciso ter um profissional que esteja apoiando a equipe no seu desenvolvimento, uma vez que, diferente de uma máquina que precisa apenas atualizar o software para rodar novos sistemas operacionais, o ser humano precisa realizar um caminho maior para ativar sua cognição e conexões neurais para conseguir passar pelas mudanças sem dores ou bloqueios, para isso acontecer da melhor forma possível, a liderança é crucial para que a equipe se desenvolva no nível que o mercado exige, porém vale lembrar que o líder também é um ser humano composto por crenças, medos, habilidades e competências que necessitam desenvolver. Neste contexto, o Coaching atua para gerenciar o tempo, gerir a vida pessoal e profissional das pessoas, ajudar a lidar com o estresse, aprender a desenvolver o autoconhecimento para conseguir lidar com o outro, na definição de metas e na comunicação assertiva para conseguir unir toda a equipe para um objetivo maior e na otimização no processo de feedback, enfim, a responsabilidade do coach neste cenário é amplo, pois tem que conseguir conduz e alavancar o melhor desempenho de cada individuo tendo em mente sempre um objetivo maior do mundo corporativo.

São vários nichos que existem atualmente e cada vez mais as especificações do Coaching aumentam, pois as necessidades dos coachees vão se tornando cada vez mais especificas. Há nichos que atualmente já existem em outros países, porém ainda não estão em alta no Brasil, por isso, a possibilidade de crescimento do setor e maiores ramificações são tendências para os próximos anos.
Com o aumento da formação de profissionais coaches e a crescente necessidade do mercado e dos próprios coachees, o cenário futuro mostra que teremos  indivíduos mais conscientes de si e das próprias necessidades, que trabalham por um propósito maior e tendem a demonstrar a evolução do ser humano, assim como o desejo de tornar-se o melhor que podem ser, seja na área profissional ou pessoal.
A ampliação da consciência é um caminho sem volta e que todos deveriam - e devem - ter acesso.



1       CINE COACHING


1.1      CONVERSANDO COM DEUS


O filme conta a história de Neale, um profissional que após sofrer acidente de carro, ficou desempregado e teve que morar junto com os mendigos em um acampamento. Com qualificação, porém sem conseguir um emprego, Neale teve que contar com o apoio de outros moradores de rua para conseguir se manter.
Até o dia que - por uma coincidência - Neale entra em contato com a empresa para saber se poderia se candidatar a vaga de DJ. A partir daí sua vida começa a melhorar novamente, até que, após um tempo trabalhando nessa rádio, descobre que ela foi à falência e Neale fica novamente desempregado.
Neste momento, ele questiona Deus sobre tudo e então, começa a ouvir uma voz que o faz escrever textos e mais textos que, mais tarde, chamaram a atenção de agentes literários, fazendo com que esses textos tornassem livros de grande valor financeiro.
Percebemos que ao analisarmos o contexto do filme, a voz que o fez escrever nada mais era do que seu lado espiritual aflorado, assim como a elevação da sensibilidade para ouvir o que havia dentro si. É o caminho que o coachee precisa caminhar para alcançar seus objetivos, pois é só quando assumimos a responsabilidade por nossas vidas e passamos a procurar a resposta dentro de nós mesmos, só assim é que conseguimos enxergar o mundo de possibilidade e abundância.
Também podemos fazer a conexão da riqueza ampla que vai além do contexto financeiro, que é a riqueza relacional, pois cada pessoa que entrou na vida de Neale pode ensiná-lo algo. O Universo é abundante de todas as maneiras, só é preciso ter a sensibilidade para entender, aceitar e doar.


1.2      PODER ALÉM DA VIDA

O filme conta história do atleta Dan Millman que tem como objetivo participar dos Jogos Olímpicos como ginasta. Com excelentes notas na faculdade, desejado por muitas garotas, de família rica e com amigos, o Dan acaba se tornando uma pessoa bastante egocêntrica e superficial.
É nítido sua insatisfação com a vida, principalmente pelo fato de projetar sua felicidade para o futuro, sempre focando na medalha olímpica e sentindo-se invencível em todas as áreas. Em uma noite, após ter pesadelos, Dan resolve correr e se depara com o Sócrates, um homem que começa a questionar suas crenças e isso, no primeiro instante, incomoda muito o garoto.
Neste caso, podemos considerar o Sócrates como um coach que faz sempre perguntas poderosas com a intenção de provocar o lado interno do Daniel, dê fazê-lo perceber que o caminho é mais importante do que a chegada, que todas as respostas já existem dentro de si e é sempre importante tirar um tempo para a introspecção para absorver e ressignificar determinado acontecimento. Há também o ensinamento da congruência, pois após serem assaltados e Dan questionar Socrátes o motivo dele não ter reagido contra os assaltantes, o homem repete a frase dita pelo garoto: "As pessoas mais difíceis de serem amadas, normalmente são as que mais precisam de amor" e diferencia o conhecimento da sabedoria: "Conhecimento não é o mesmo que sabedoria. Sabedoria é agir". Ou seja, outra lição, pois precisamos ser congruentes com aquilo que falamos e acreditamos.
Um aprendizado importante é considerar aquilo que amamos e não permitir que a opinião ou julgamento de outra pessoa defina a nossa trajetória, pois são as nossas crenças que irão determinar o resultado e não a crença limitante de outro alguém.
Aprendemos que é preciso ter um mindset vencedor, para enxergar possibilidades positivas até mesmo nas derrotas.


1.3      QUEM SOMOS NÓS

Neste documentário somos apresentados para o mundo da física quântica, da neurociência, biologia humana e somos questionados sobre o que é realidade de verdade. Quanto mais eu acredito em algo, mais eu vejo, mais eu sou, faço e tenho aquele mundo e, por isso, devemos saber qual mundo queremos viver, qual realidade queremos trazer para nossas vidas. Há diversos relatos e explicações de estudiosos que acreditam nessa filosofia. Além do documentário ser composto por entrevistas e depoimentos, há também a história da fotógrafa surda que serve para exemplificar algumas das alegações ditas pelos cientistas.
No contexto da narrativa, a mulher ao se deparar com a possibilidade de fotografar um casamento e por causa do seu histórico negativo com o próprio matrimônio, seus neurônios buscam um sentimento amargo, pois há o gatilho da traição no qual ela vivenciou, ou seja, no mundo dela, em todo casamento há infidelidade. Percebemos claramente essa percepção quando a fotógrafa acusa o noivo, durante a festa, de estar traindo a noiva, sendo que momentos depois, com mais clareza, ela percebe que o casal que havia visto juntos não era quem julgava ser, e a explicação do cientista é que ao olharmos um objeto, determinadas áreas do cérebro são acionadas e quando fechamos os olhos e apenas imaginamos, as mesmas áreas são acionadas, desta forma, fica o questionamento: a realidade é vista pelos olhos ou criada pelo cérebro?
Outro argumento interessante é o fato de que ficamos viciados em alguns sentimentos, sejam eles de raiva, vitimismo, prazer, enfim, a pessoa acaba criando um caminho neural "padrão" onde as enzimas e hormônios são absorvidas pelo corpo.
Sendo assim, precisamos estar atentos ao mundo que criamos e ao que sentimos diante da realidade que temos.


1.4      A CORRENTE DO BEM

O filme conta a história do menino Trevor, que ao assistir as aulas de Estudos Sociais em que o professor propõe o desafio de criarem uma maneira de transformar o mundo em algo melhor, o garoto resolve criar o projeto "Passe para Frente" em que a pessoa que recebesse um favor, tem que repassar essa boa ação para outras três pessoas e cada uma dessas três pessoas devem repassar para mais três e assim sucessivamente.
Podemos notar que com a simples atitude de uma pessoa, é possível impactar outras e gerar maior nível de engajamento e impacto social. No filme, no início, muitas pessoas não enxergam essa ideia utópica com bons olhos e até mesmo o garoto começa a desanimar, pois acredita que suas ações não estão sendo repassadas, que o conceito inicial de receber uma boa ação e repassá-la, não estava acontecendo de fato.
Há um trecho do filme onde o Trevor analisa os motivos pelos quais algumas pessoas repassam a boa ação e tentam fazer a diferença no mundo enquanto outras simplesmente não agem, e a conclusão foi que: algumas pessoas tem medo até de pensar na hipótese de mudar, pois para elas o mundo é ruim e, por isso, julgam ser difícil realizar a mudança necessária para transformá-la e simplesmente desistem de agir, se acomodam com o que está ruim. E quando isso acontece... todo mundo perde.


1.5      A PROVA DE FOGO

O filme conta a história de Caleb, um bombeiro que passa por uma fase conturbada no casamento. Quando Catherine toma a decisão de se separar, o pai de Caleb pede para o filho seguir seus desafios por 40 dias, pois seriam atitudes que poderiam salvar o casamento até então destruído. Através do caderno com as tarefas, o pai de Caleb acaba se tornando o coach do filho, utilizando ferramentas e perguntas poderosas que fizeram Caleb mudar o mindset e agir com mais amor.
No início, a falta de propósito e vontade de realizar as tarefas é nítido, Caleb realiza cada passo com desdém e pouco cuidado. Depois de dias agindo desta maneira, mesmo dando o check-list nas tarefas, os resultados não vinham e Caleb, por isso, começa a se amargurar com a falta de gratidão da esposa e só após conversar com o pai, percebe não estar agindo verdadeiramente por amor. Neste momento, há a questão da espiritualidade e o ensinamento de que só podemos receber o amor do Universo (Deus) se darmos o amor de volta, porém sem exigências. E só depois de entender o ciclo da abundância que Caleb passa a prosperar, se permitir ser vulnerável diante da esposa e pedir perdão. O amor só existe no momento que não exigimos nada em troca, o ato de amar é grandioso demais para se tornar moeda de troca.
Ao ampliar o lema profissional para o ambiente pessoal, de "não abandonar um parceiro, principalmente no incêndio", Caleb conseguiu agir com a mesma dedicação e cuidado do trabalho, no casamento. Há uma frase que retrata bem isso: "Aquilo em que você investe tempo, energia e dinheiro, se tornará mais importante para você. É difícil se importar com algo em que não investiu".
Nesta história, nota-se a evolução do Caleb e o grande autoconhecimento, pois só se pode dedicar com amor e garra a algo quando se sabe realmente o que quer.


1.6      A PROFECIA CELESTINA

O filme conta a história de John Woodson, professor, que após ser demitido começa uma busca pelos manuscritos peruanos. A partir de então, é possível perceber a mudança do protagonista e sua grande evolução na jornada, pois ele passa de incrédulo para viver 100% aquela filosofia da Profecia Celestina e começa a sentir toda a energia descrita nos manuscritos.
Fala-se muito sobre a energia e do mal que há no mundo; das pessoas roubarem a energia um do outro sem ter a consciência que não é preciso roubar e sim somar, pois podemos viver em harmonia não só com o outro ser, mas também com o ambiente onde estamos inseridos. É possível ver, através da energia, o estado de Flow entre as pessoas, pois - neste momento - elas já conseguem viver totalmente no self 2 e observam o mundo não apenas com os olhos e racionalidade, mas também com a mente e alma. Desta forma, o mundo amplia, assim como as possibilidades, pois através do self 2 podemos caminhar em direção ao nosso propósito, bastando apenas usar a intuição, a sensibilidade e ouvir o Universo.
Basicamente, o filme fala sobre a necessidade de focarmos no nosso Eu interior, expandir a energia, se conectar com outras pessoas e com o Universo. É uma forma de ampliar a consciência, ampliar a área onde nós podemos interferir e impactar.
Para o processo de Coaching, a troca de energia e a clareza que é possível ter com as ferramentas utilizadas, tudo isso, é a nossa Profecia em prática nas sessões, sempre em estado de Flow e acompanhando a evolução do coachee nesta jornada do autoconhecimento.


1.7      DUAS VIDAS

O filme conta a história do consultor de imagem Russ Duritz, um homem com quase 40 anos extremamente insensível, arrogante e focado 100% no trabalho. Diante disso, podemos enxergar o perfil tubarão bem aflorado, pois o foco é sempre no trabalho independentemente se isso magoe outra pessoa ou não, o importante é o resultado e execução.
Tudo começa a mudar com o Russ quando ele encontra o Russ da infância, um menino com cerca de 7 anos e que começa a questionar quais foram as conquistas do seu Eu de quase 40 anos, e percebe que - mesmo com sucesso na carreira - seu futuro está marcado pelo fracasso, pois seus sonhos de infância são simplesmente ignorados. Uma fala interessante do menino é: "Eu cresci e virei um fracassado".
Quando o Russ adulto resolve aprender com o menino ao invés de tentar ensiná-lo, ele descobre que na verdade tornou-se um homem inseguro, que apagou as lembranças do passado e deixou de honrar e respeitar a própria história e, com isso, deixou não só sua vulnerabilidade de lado, mas também sua alegria, sensibilidade e espontaneidade que um dia teve. E, outro detalhe importante, é que quando seu pai gritava com ele, o Russ da infância sentia muito medo, porém esse comportamento do pai - de gritar - se repete no Russ adulto e percebemos isso nas vezes em que a secretária o alerta do tom de voz.
Há então a necessidade de honrar e respeitar a própria história, assim como a necessidade de mudar sem mudar, ou seja, os acontecimentos sempre estarão lá (no passado), porém podemos mudá-los ao ressignificá-los e perdoar o que tiver que ser perdoado. A teoria da Brené Brown é percebida, pois quando fugimos do fracasso, medo, mágoa, também estamos nos fechando para o que há bom, como o amor e empatia. Ser vulnerável não é fraqueza, é coragem!


1.8      MÃOS TALENTOSAS

Este filme conta a vida do Ben Carson, um médico neurocirurgião. O interessante é que a história começa já no ponto onde ele é um profissional reconhecido na área, em seguida, o filme começa a contar a infância do Ben e demonstra que nem sempre o médico foi reconhecido pelo seu talento. Com notas baixas e a crença limitante de ser um garoto burro e incapaz, Ben era ridicularizado pelos colegas, mas o apoio da mãe foi algo importante nesta fase, pois - mesmo com pouco estudo - ela conseguiu extrair o melhor de seu filho e há uma frase que a mãe sempre dizia "Você pode fazer tudo o que os outros fazem, só que melhor" e é com esse pensamento que Ben se esforça para se tornar o melhor neurocirurgião que pode ser.
No filme, é possível perceber a evolução não só do Ben como da própria mãe, pois ao se deparar com a biblioteca na casa do patrão, resolve estipular uma meta para os filhos (ler 2 livros e fazer resumo da leitura) e, com isso, trocou um hábito ruim por um bom, ou seja, ao invés de ficarem gastando o tempo livre assistindo televisão, os garotos começaram a usar esse tempo para algo útil e descobriram seu potencial. A mãe, por sua vez, começou a aprender a ler também. Ambos romperam a barreira da crença limitante e passaram a se esforçar cada vez mais para encontrar a melhor versão que podiam ser.
Nota-se que o Ben, mesmo com todo conhecimento, ainda sentia medo diante dos desafios, porém ele enfrentava seus medos e não se deixava paralisar diante das cirurgias que mudaram o rumo da área da neurociência, tornando-se assim uns dos melhores e mais respeitados médicos da área. Para isso, foi preciso focar no seu propósito, ter o autoconhecimento para saber qual era sua maior qualidade e do que gostava de fazer para, só assim, ter uma base consistente para não desistir ao se deparar com problemas e dificuldades.
É interessante perceber o trabalho de coach da mãe de Ben, que usou ferramentas (através das metas semanais de leitura) para mudar o padrão de crença do filho e usou os patrocínios positivos para apoiá-lo e incentivá-los nos momentos críticos, mudando o midset do filho e fazendo-o perceber a imensa capacidade e talento em si. Com isso, o Ben não só sonhou grande, mas agiu de tal forma que tornou-se um grande homem; independente da classe social que nasceu, da raça, das dificuldades e dos medos.


1.9      DIVERTIDAMENTE

O filme conta a história de Riley, uma menina que está se mudando e isso começa a gerar diversas confusões nos sentimentos dela. O destaque da narrativa é que a história não se passa apenas no mundo exterior da garota, mas também dentro da sua própria cabeça.
No momento em que a história é começa, a menina passa a ter 5 emoções: Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojo. E essas emoções são responsáveis em gerar as informações e armazená-las como memórias, criando também as identidades.
O interessante é notar que cada memória tem uma emoção e elas podem mudar conforme os acontecimentos, ou seja, uma lembrança alegre pode se tornar triste. Também é possível notar que cada emoção tem sua própria luz e sombra, percebemos que cada emoção é essencial para a vida, por exemplo, a raiva serve para lidarmos com injustiças, o nojo para nos livrarmos do risco de comer algo estragado, a alegria traz suavidade para a vida nos momentos oportunos, a tristeza permite lidarmos com as coisas ruins que inevitavelmente irão acontecer na vida.
Na animação notamos que a Alegria por inúmeras vezes acaba sufocando a Tristeza, tudo isso sem perceber a importância dela, pois a tristeza permite sermos vulneráveis e isso, no filme, é demonstrado através da raiva de Riley, sendo que o sentimento mais oportuno seria de Tristeza e, por isso, só no final os pais conseguem sentir empatia pela filha. Outro ponto para reflexão, com esse ato de sufocar a tristeza, é que podemos notar na nossa sociedade a exigência de sermos sempre felizes, e quando a tristeza chega há um sentimento de culpa e de sufoco, ao invés de buscar - através dela - uma reflexão, introspecção profunda sobre o motivo daquele sentimento e, quem sabe, demonstrar vulnerabilidade.
Ou seja, se estiver triste, está tudo bem.
Afinal de contas, somos uma montanha-russa de sentimentos.


1.10   COACH CARTER

O filme conta a biografia de Ken Carter a partir do momento em que ele foi convidado para ser o novo treinador de basquete da escola Richmond. Este time seguia por uma trajetória de inúmeras derrotas nos jogos, com jogadores indisciplinados e agressivos, fora o fato de que os jogadores tinham péssimas notas e sequer frequentavam as aulas. A comunidade ao redor da escola era de muita desigualdade, tráfico de drogas e problemas sociais. Mesmo com todo esse conceito, o Carter aceita o desafio com o propósito de transformar a vida daqueles jovens, uma vez que o mesmo já havia sido jogador neste mesmo time há 30 anos e viu muitos dos seus amigos serem presos ou assassinados. Com o objetivo de fazer a diferença na comunidade através desses jogadores, Carter começa mudando a forma como eles se vestem, se relacionam, se comportam e isso nos faz perceber que é importante criar a consciência de campeões (o mindset calibrado para a vitória) e ir além das técnicas, pois ao fazer uma analogia com o mundo dos negócios, podemos associar com a afirmação que os profissionais são admitidos pelas suas habilidades técnicas, porém são demitidos pelas suas habilidades comportamentais e com o Carter percebe-se que há o objetivo de criar a transformação de dentro para fora. Uma das competências impostas pelo treinador é o do Comprometimento, pois os jogadores só iriam jogar no time se aceitasse algumas condições impostas, dentre elas, a de frequentar as aulas e tirar boas notas.
Percebe-se que no ambiente escolar (não só na comunidade) há a crença limitante de que os alunos não conseguirão sequer entrar para uma Universidade, seja pela desigualdade no qual estão inseridos, seja pelo histórico de alunos da comunidade em Universidades, enfim, e essa limitação é aceita até pela diretora do colégio. Carter sabendo de todas essas crenças limitantes, começa a atuar de forma mais rígida, com regras e exigindo postura dos jogadores e isso faz com que eles sejam obrigados a saírem da zona de conforto. Obviamente, as mudanças geram estranhamento não só dos outros professores como dos familiares, mas Carter continua com sua postura firme e objetivo claro.
O treinador usa técnicas de rapport e ao dar nomes de mulheres para cada jogada no basquete, isso trouxe mais proximidade entre o time. A questão de manter as regras firmes e seguir o que foi acordado no contrato, demonstra congruência do líder. O treinador não só exigiu o respeito entre si, mas também com o time adversário e isso fica claro durante o ciclo de vitória da equipe, onde eles começaram a zombar do time adversário, Carter então mencionou o passado, as inúmeras derrotas que tiveram e exigiu o respeito para honrar e respeitar a própria história e a do adversário.
Os gatilhos para sair desse ciclo de marginalidade foram os mais diversos, por exemplo, houve um garoto que diante do assassinato do seu primo resolveu ressignificar esse acontecimento para não repetir essa tragédia consigo e, por isso, focou nos estudos e no basquete. O Carter, como coach, estava ali para guiá-lo na criação de novos hábitos.
Com a liderança mais autoritária, porém necessária para conseguir lidar com jovens inseridos em um ambiente de marginalidade e pouca perspectiva de conquistas futuras, Carter conseguiu alcançar seu objetivo e alguns de seus jogadores conseguiram entrar para a Universidade, mostrando que o ambiente onde estamos inseridos não define nosso futuro e sim nossas atitudes diante de um propósito maior.


8       NÍVEIS NEUROLÓGICOS DE APRENDIZAGEM

A pirâmide serve para as percepções e conhecimentos, é uma representação gráfica, criada pelo Robert Dilts. No início, a pirâmide tinha apenas 6 níveis, porém com a ajuda do Coach Bernd Isert, o nível de Afiliação foi acrescentada. Atualmente temos esses níveis: Ambiente, Comportamento, Capacidades/Habilidades, Crenças/Valores, Identidade, Afiliação e Legado. Para facilitar o entendimento dos níveis, irei falar deles de forma individual e detalhada:

- Ambiente: É o 1º nível da pirâmide também considerada como o "Nível da Superficialidade". É o nível da reação, onde o estímulo externo tem a capacidade de impactar as nossas reações. Por exemplo, se uma pessoa diz se sentir deprimida, neste caso, o coach deve usar a pergunta que o nível exige: Onde, quando e em que situações ele se sente assim. Se o comportamento depressivo acontecer em um ambiente específico, então podemos considerar que ele está no nível de reação. O coach precisa saber qual é o gatilho sensorial externo que gera esse tipo de reação no coachee. Neste nível o Coach atua como GUIA, pois ajuda o coachee a identificar limites e oportunidades no dia a dia.

- Comportamento: O 2º nível da pirâmide também pode ser chamada de "Nível de Relacionamentos", pois fala sobre a conduta da pessoa em determinado contexto. É o padrão de comportamento, pois a pessoa tem o mesmo comportamento em diversos ambientes e contextos, desta forma, ela sai do nível 1 e passa para o nível 2, pois trata não só de reação à algo, mas da ação e reação. Algumas dicas de perguntas que podemos fazer é: Seu comportamento está gerando aquilo que deseja? Sua atitude é congruente com seu discurso?
Neste nível o Coach atua como TREINADOR, pois o foco é na performance do coachee em uma situação determinada.

- Capacidades e Habilidades: O 3º nível também pode ser nomeada de "Nível de Conhecimentos". Se você acredita que tem a Habilidade de aprender determinado assunto, você irá buscar conhecimentos para adquirir o saber e, por isso, irá ter o comportamento para focar e desenvolver uma nova habilidade. Se a pessoa não acredita ser capaz de adquirir determinada habilidade, desta forma, a pessoa precisará subir o nível, pois trata-se de Crenças. Quando acredita-se na capacidade de ter uma nova habilidade, assim a pessoa passa a desenvolver técnicas e estratégias para aprender algo. As sugestões de perguntas são: Você é consultor de si mesmo? Quais capacidades e habilidades seriam essenciais para você hoje?
Neste nível o Coach atua como CONSULTOR E PROFESSOR, pois estimula o pensamento do coachee com a intenção de desenvolver as habilidades cognitivas gerais de forma estratégica.

- Crenças e Valores: O 4º nível também pode ser denominado como "Nível de Significados". Os valores são sua motivação e o porquê da pessoa fazer o que faz, o que o motiva a fazer o que faz. Ele orienta as capacidades, através dos comportamentos, nos ambientes. As crenças são profecias, é uma visão generalista do mundo, das pessoas e de si, enfim, é a nossa verdade individual. Crenças são pensamentos dotados de energia, fé e emoção, que servem para você enxergar o mundo e julgar o que é possível e o que não é. As crenças ou habilitam o desenvolvimento de suas capacidade e habilidades, ou geram a auto-sabotagem. A crença acontece muitas vezes de forma inconsciente e podem ser separadas em tipos, tais como: Crenças de identidade, crenças de capacidades e crenças de merecimento. E a pergunta para identificar a crença pode ser: O quanto suas crenças te permitem chegar aonde você quer chegar?
Neste nível o Coach atua como MENTOR, pois tem como papel principal ajudar o coachee a superar as próprias crenças, as resistências e alcançar os resultados.

- Identidade: O 5º nível também denominado como "Nível de Clareza dos meus papéis". Ele indaga sobre quem somos, está ligado ao senso do "eu" e de ter uma missão. Neste nível a mudança é no nível do inconsciente. A pergunta que pode ser feita é: "Quem é você?" Vale lembrar que os "ambientes" representam seus limites, os "comportamentos" definem suas ações, suas "capacidades" representam suas estratégias e suas "crenças e valores" representam sua motivação e permissão, já a "identidade" define realmente quem você é, sua missão, afinal de contas, somos nossa essência.
Neste nível o Coach atua como PATROCINADOR (foco no positivo), pois auxilia o coachee a reconhecer o seu papel no mundo, a encontrar o seu verdadeiro "eu"

- Afiliação: O 6º nível também chamado de "Nível de Posicionamento Dentro dos Sistemas/Afiliação". É a nossa origem, quem são nossos antepassados, qual minha turma, quem faz parte da minha vida, enfim, é com quem compartilhamos a vida. Neste nível a pessoa passa a ter uma visão clara sobre si através dos grupos nos quais ela pertence. Podemos perguntar neste nível: Você honra e respeita a sua história?
Neste nível o Coach atua como AGLUTINADOR, pois tem como papel ajudar o coachee a juntar o seu "eu" com o "eu" do grupo, de algo maior.

- Legado: O 7º nível também chamado de "Nível de Espiritualidade". É o nível onde a pessoa passa a ter maior noção do quão impossível é alcançar o significado da vida sem pensar no todo. Aqui neste nível, o questionamento sobre significado e propósito são cruciais, pois a pessoa já sabe que faz parte de todo o processo, tem uma visão mais sistêmica. É o nível de transmissão. As perguntas que podem ser utilizadas, são: Pra quem mais você vive? Quem mais você quer impactar? Quem é o seu todo?
Neste nível o Coach atua como SELF EMPOWERMENT, pois ele dá o poder ao coachee ao elevar a autoestima e ressaltar seus pontos positivos.




Natalia Bespaloff
natbespaloff@gmail.com
www.natbespaloff.com.br

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Anhanguera, experiência de 10 anos na área de Gestão de Pessoas. Certificada como Profissional & Self Coaching pelo IBC (Instituto Brasileiro de Coaching) e com certificações internacionais: ECA - European Coaching Association, GCC - Global Coaching Community, IAC - International Association of Coaching, BCI - Behavioral Coaching Institute e ICC - International Coaching Council.

0 comentários:

Postar um comentário

oiiiii

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...