Copyright © Nat Bespaloff
Design by Dzignine
17 de jan de 2017

Não sei lidar com elogios

Nat Bespaloff - NATirinhas

31 de dez de 2016

Ano feliz - Natirinhas


Espero que você não só "deseje" FELIZ ANO NOVO pra alguém, desejo que FAÇA o ano (ou dia) de alguém mais feliz. Compartilhe AFETO. Olhe as pessoas (e os animais) ao redor com mais sensibilidade. Um gesto simples pode mudar o seu dia e de outro alguém.
[Nat Bespaloff - Natirinhas]

29 de dez de 2016

Resolver problema de forma madura

Nat Bespaloff NATirinhas

Demonstrar afeto


Demonstrar afeto é um grande "trabalho" de humildade, administração do ego e empatia! - Nat Bespaloff #NATirinhas

24 de dez de 2016

Não economize afeto


Espero que você ganhe vários presentes. Quando digo "presentes" quero dizer: Pessoas legais presentes. Em "corpo", pensamento e coração (memória). Desejo, principalmente, que esses "presentes" você ganhe sempre. Não economize afeto! [Nat Bespaloff - NATirinhas]

Os Valores


Os Valores reais não são materiais, são abstratos. Quer coisa mais importante na vida de uma pessoa do que os afetos? Não tem nada mais importante do que os sentimentos. A pessoa pode ser super-rica, mas se ela não tiver amor... Ela é miserável. [Eduardo Marinho]
 


23 de dez de 2016

Troco Presentes


Troco presentes com laços
Por laços presentes
- Matheus Jacob

Melhor presente de Natal


Quem é seu melhor presente de natal? [Natirinhas]

19 de dez de 2016

Massinha de Modelar


"Acredito que somos como uma massinha de modelar, há pessoas que nos tocam com carinho e nos mudam, há pessoas que nos dão porrada e, também, nos mudam. Estamos sempre mudando e mudando o outro. A massinha de modelar dos sentimentos." - Nat Bespaloff - NATirinhas




~~Estamos Interligados~~


Texto: Tem que existir!
Sempre acreditei que a vida tem mais, tem que ter mais, tem que existir sentimentos mais profundos, fortes, que nos façam chorar de emoção, arrepiar ao se sentir ligado a alguém. Tem que existir algo a mais. Tem que existir! Tem que ter aquela força que nos motive a sair da cama, algo além de dinheiro, de status, de  poder. Tem que existir! Tem que existir algo que nos faça sentir orgulho da própria trajetória, além de diplomas, likes, bens materiais. Tem que existir uma forma de curar alguém que vá além, muito além, de remédios e Band-aid. Tem que existir! Há pessoas ao redor, há animais, há verde, há vida... Caramba, tem que existir um motivo para tudo isso. Há sentimentos aqui, há sentimentos aí, há tristeza, alegria, compaixão, angústia, medo, aflição em ambos os lados... tem que existir alguma razão. Tem que existir! Tem que existir o  motivo para um suspiro, para um sorriso, para uma lágrima, para um dia após o outro. Tem que existir um motivo para que a lembrança de quem nos deixou "pesar" tanto. Tem que existir! Tem que existir um motivo para tudo ser tão... momentâneo, instável, incerto, imensurável. Tem que existir! Qual o motivo de uma lembrança emocionar? De uma lágrima nos comover? Qual o motivo de querer fazer a diferença? Qual o motivo de sonhar? Qual o motivo da vida? Qual o nosso motivo de existir? Talvez, não sei, mas talvez estejamos aqui para consertarmos uns aos outros, montarmos nossas melhores versões através de cada pedacinho de quem - emocionalmente - nos toca e sermos eternos nas lembranças de quem nos ama. Quando formos embora, deixaremos o que fomos (nossas atitudes em forma de lembranças) e levaremos o que nos deixarem levar (tomara que sejam os sentimentos). Que nossa bagagem seja grande, que nossas lembranças sejam presentes para quem fica.
Pois, tem que existir um motivo, uma razão.
Tem que existir!
Texto: Nat Bespaloff
 

Presente de Natal

Nat Bespaloff NATirinhas

17 de dez de 2016

Compartilhe afeto


Este ano, confesso, foi um ano bem esquisito. Minha vida teve diversas mudanças, mudou a rotina, mudou a forma como enxergava algumas pessoas e percebi a importância das pequenas atitudes. Este ano, se não fossem os pequenos gestos de carinho das pessoas ao redor, juro, tudo seria bem mais difícil. É tão bom quando alguém não acredita na sua mentira ao dizer "Estou bem" e, então, puxa a cadeira, fixa os olhos em você e questiona "Está tudo bem mesmo?". Pessoas que usam a empatia na prática, sem hipocrisia. Me fortaleci quando fui abraçada no momento que mais precisava, quando recebi bombons em um dia ruim, quando recebi mensagens recheadas de carinho pelo e-mail, numa folha ou WhatsApp, quando vi pessoas com os olhos cheios de lágrimas ao me verem numa cama de hospital e mesmo assim tentarem me animar. Este ano, muitas pessoas me surpreenderam positivamente.
É tão bom viver nossos Valores de verdade, sem precisar pisar em ninguém, sem negligenciar uma amizade antiga, sem colocar cifrão na frente de sentimentos ou pessoas. É bom dormir com a consciência tranquila. Conheci pessoas que manipulavam, jogavam com a vida do próximo sem o menor remorso e... ter a oportunidade de não precisar conviver com esse tipo de pessoa é um alívio imenso. Traz paz na alma.
Com certeza, o maior apoio que tive, tenho e vou ter... é da minha mãe. Pirei este ano, tive crise de choro, pânico, vivi uma montanha-russa de sentimentos e essa criaturinha, rs, esteve sempre ao meu lado com palavras doces e de incentivo. Obrigada por ser meu alicerce, minha força, por ser a materialização do que é o amor.
Com 27 anos, em mais um dia estressante, meu coração não aguentou e começou a bater forte contra o peito. Fiquei internada, tomei injeções na barriga e, enfim, quase enfartei. Depois disso, sai do meu emprego (de 10 anos) e, na despedida, recebi muito carinho da equipe e frieza de quem "pregava" o bem. A vida sempre nos mostra quem são as pessoas de verdade, cedo ou tarde isso acontece. Mostra quem percebe (sente) seu sofrimento e quem é incapaz e julga sua dor como mero vitimismo.
São nesses momentos - onde nos ferimos emocionalmente - que percebemos o quão fortes somos, que nos conhecemos melhor e percebemos quem nos quer bem de verdade.
Tenho o costume de tentar retribuir ao "Universo" quando algo bom acontece na minha vida e, por isso, quis criar um projeto pessoal de escrever cartas. Comecei tudo isso em outubro e as postagens começaram no finalzinho de novembro. Foram mais de 200 cartas enviadas e, pra mim, foi a melhor ideia que tive. Me fez um bem enorme, me ajudou demais nesta fase de adaptação e me senti útil.
Sempre gostei de surpreender positivamente alguém, seja através da escrita, dos desenhos, enfim, quando a gente quer demonstrar afeto, a gente sempre encontra uma maneira. Não é preciso ser o gênio da escrita, ser o expert do desenho, ou seja lá do que for... só é preciso agir, só agir e nada mais.
Estamos apressados e alucinados pelas mensagens Ctrl+C Ctrl+V e falamos pouco sobre sentimentos (sinceros).
Enfim, não vou ficar filosofando aqui, rs, só quis contextualizar a criação deste projeto (que me fez um bem enorme). Este ano, chorei demais, demais, demais... e algumas decepções me deixaram sem forças, mas também pude me fortalecer com as pequenas demonstrações de carinho que recebi e, seria injusto não retribuir o bem, aliás... seria incoerente não fazer parte da Corrente do Bem!
Durante esse processo, algumas pessoas mandaram mensagens relatando sobre como se sentiram ao receber a cartinha e, confesso, isso foi tão gratificante. Foi imensamente gostoso ler sobre a emoção do outro. É algo mágico saber que... eu aqui, no meu cantinho, com uma folha e uma caneta... pude emocionar alguém, pude colorir o dia do próximo, pude inspirar alguém a fazer o mesmo.
No fundo, muita gente está um caos interno. Isso é fato.
Pode parecer um gesto bobo, mas é por julgar a simplicidade como algo inútil que deixamos de demonstrar o que sentimentos, que deixamos pessoas saírem das nossas vidas sem saberem o quão importantes são.
Em um ano complicado, um ano #Bad #Socorro, rs, fico feliz por conseguir finalizá-lo de forma leve, de um jeito que marcará positivamente minha vida e, espero, que marque a vida de quem conseguiu se emocionar com a simplicidade de um gesto.
Vou deixar aqui alguns relatos, espero que possa inspirar alguém.
E... Não quero fazer o "papel de boazinha", rs, nao sou, rs, só quero demonstrar o quão importante foi essa atitude pra mim e como isso interferiu na vida de outro alguém. Estamos interligados. Na correria do dia a dia, sei lá, a gente não "percebe" o outro, não "sente" e, infelizmente, há momentos que nem sequer nos sentimos, parece que estamos no automático, parece que estamos anestesiando nossos próprios sentimentos.
E isso é MUITO triste.
Decepção? Sempre existirá, mas não é por isso que devemos "azedar" nossos corações, nossas almas, é preciso valorizar quem nos quer bem, se afastar de pessoas tóxicas e jamais deixar de tentar colorir o dia de alguém com um gesto de carinho. É preciso ter um propósito de vida e ter um propósito que beneficie o coletivo, poxa, é "bão demais da conta, sô", rs.
É crucial encontrar a satisfação ao fazer algo em prol do outro, em fazer o outro feliz, pois fazer algo aguardando o retorno no futuro, olha, é melhor nem fazer.
[Não estou aqui para dar lição de moral, blábláblá]
Hahaha...
Que 2017 seja um ano onde a sensibilidade, cuidado e afeto sejam nosso escudo contra a crise. Pois, pior do que a crise financeira... é a crise afetiva.






































Indiquei o filme: "Escrevendo uma nova vida" e a música ALEY UNDERWOOD - ANGEL BONE. (Curioso que esse filme foi indicação, da Aline Gomes, foi bem no momento em que estava escrevendo as cartas e me inspirou mais ainda (O Universo conspira). Obrigada pela indicação, Aline!).


"Será que somos todos estrelas perdidas tentando iluminar a escuridão?" - Música: Lost Stars






Algumas fotos postadas:

=)
 
Nat Bespaloff - NATirinhas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...